A artrose, também conhecida por osteoartrite, é a doença reumática mais frequente. Deve se sobretudo ao desgaste da cartilagem, um tecido situado na extremidade dos ossos e que permite a articulação entre eles sem qualquer tipo de danos. No caso de lesão da cartilagem ou inexistência desta, os ossos sofrem uma fricção direta, gerando dor, inchaço, inflamação, perda de movimento na articulação e, inclusivamente, deformação da articulação.

Ainda que seja comum que o desgaste da cartilagem ocorra com a passagem do tempo (motivo pelo qual a artrose é mais frequente nas pessoas de idade avançada), tal pode ser causado por uma diminuição dos níveis de estrogénios em consequência da menopausa, na mulher.1 Pode ainda dever-se a uma predisposição familiar (causa genética), obesidade (devido ao excesso de peso que sobrecarrega e danifica a cartilagem) ou em consequência de uma lesão.

Alguns dos alimentos menos recomendados para a artrose são os alimentos ricos em purinas e ácido úrico como as carnes gordas, enchidos, marisco e alguns vegetais como couve-flor, espargos, ervilhas e espinafres. O ácido úrico é um produto de degradação das purinas presentes nestes alimentos. O excesso de ácido úrico no sangue pode formar cristais que se acumulam nas articulações e causam dor considerável.2,3

Entre os alimentos mais recomendados encontram-se aqueles:

  • Ricos em vitamina C, como os citrinos, vitamina necessária para a formação do colagénio, que é o principal componente da cartilagem.4
  • Ricos em ácidos gordos ómega 3, como o peixe azul (salmão, atum e sardinha), azeite, óleo de soja, nozes, amêndoas, etc., na medida em que contribuem para diminuir a inflamação.5
  • Brócolos são extremamente úteis na artrose visto que, devido aos seus sulforafanos, inibem as protéases que degradam a cartilagem.6
  • Gengibre, graças às suas propriedades anti-inflamatórias, diminuindo a dor.7
  • Selénio e vitamina E presentes em alimentos (como frutos secos) ajudam a impedir a degeneração da cartilagem através da formação de antioxidantes que eliminam os radicais livres.8

REFERÊNCIAS

  1. Sowers MR, McConnell D, Jannausch M, et al. Estradiol and its metabolites and their association with knee osteoarthritis. Arthritis Rheum. 2006;54(8):2481-7.
  2. Nowatzky J, Howard R, Pillinger MH, et al. The role of uric acid and other crystals in osteoarthritis. Curr Rheumatol Rep. 2010;12(2):142-8.
  3. Denoble AE, Huffman KM, Stabler TV, et al. Uric acid is a danger signal of increasing risk for osteoarthritis through inflammasome activation. Proc Natl Acad Sci U S A. 2011;108(5):2088-93.
  4. McAlindon TE, Jacques P, Zhang Y, et al. Do antioxidant micronutrients protect against the development and progression of knee osteoarthritis? Arthritis Rheum. 1996;39(4):648-56.
  5. Knott L, Avery NC, Hollander AP, et al. Regulation of osteoarthritis by omega-3 (n-3) polyunsaturated fatty acids in a naturally occurring model of disease. Osteoarthritis Cartilage. 2011;19(9):1150-7.
  6. Davidson RK, Jupp O, de Ferrars R, et al. Sulforaphane represses matrix-degrading proteases and protects cartilage from destruction in vitro and in vivo. Arthritis Rheum. 2013;65(12):3130-40.
  7. Bartels EM, Folmer VN, Bliddal H, et al. Efficacy and safety of ginger in osteoarthritis patients: a meta-analysis of randomized placebo-controlled trials. Osteoarthritis Cartilage. 2015;23(1):13-21.
  8. Kurz B, Jost B, Schünke M. Dietary vitamins and selenium diminish the development of mechanically induced osteoarthritis and increase the expression of antioxidative enzymes in the knee joint of STR/1N mice. Osteoarthritis Cartilage. 2002;10(2):119-26.